O artigo de Jan P Vandenbroucke e Neil Pearce, Das ideias aos estudos: como obter ideias e afiá-las em questões de pesquisa, em inglês,  From ideas to studies: how to get ideas and sharpen them into research questions publicado em março de 2018 na Clinical Epidemiology. Ainda que este artigo tenha foco na epidemiologia e na saúde pública, a essência é muito mais ampla. Eu diria que os elementos apresentados no artigo são comuns da arte de transformar ideias em perguntas. Por isso eu listei alguns pontos e coloco a minha visão também.

1. Ter fontes de novas ideias

Artigos científicos são fontes importantes para novas ideias. Além da sua área de conhecimento, leia de outras áreas. Ao ler um artigo, busque identificar respostas para essas 3 perguntas:

  1. Quais são as recomendações sugeridas?
  2. Quais são as lacunas de conhecimento, ou seja, o que este artigo sugere que falta estudo ou conhecer neste tema?
  3. Quais são as sugestões de pesquisas futuras?

Mesmo que você tenha uma área de estudo específica e conheça muito bem seu objeto de conhecimento. Fique atento aos livros e filmes, tanto os de não ficção, como os de ficção. Exposições, peças de teatro, tudo que te mobilize. Conversas com pessoas da sua área e de áreas diferentes, tenha interesse em observar e aprender aspectos geográficos, comportamentais.  Lembre-se o objetivo, neste momento, é ter novas ideias. Não é verificar a aplicabilidade de novas ideias.

Na minha opinião, o maior desafio é pensar sem restrições. Estar aberto ao novo todos os dias, e não somente quando estiver em um grande projeto, com destacados pesquisadores. Veja, o exercício de desenvolver o seu processo criativo diariamente.

2 Fomentar a atitude criativa

Mudar  Mindset de pensamento acadêmico para pensamento sistêmico.

No pensamento sistêmico tudo está conectado e em movimento. No pensamento acadêmico reforça a fragmentação.

3  Construir e valorizar a sua própria experiência

Conhecer histórias de pessoas e a experiência que elas adquiriram é sempre muito rico. Vale muito ler biografias, interagir com pessoas mais experientes. Selecionar pontos que te chamam atenção. No entanto, olhe para a experiência que você tem e quer construir.  Tenha clareza da construção do seu repertório.

4 Desenvolver as ideias

Anotar suas experiências e rastrear suas observações, suas leituras. Usar mapas mentais ou conceituais poderá ajudá-lo.  O uso de cadernos de pesquisa são muito indicados para apoiar o registro e documentação da evolução.

5 Trabalhar a questão

Comece pela poda, cortar tudo que é desnecessário. Ficar somente com a essência.

  1. Esta pergunta é viável, ética, relevante ser respondida?
  2. Esta pergunta é de interesse de público mais amplo ou muito específico?
  3. Eu tenho recursos disponíveis para responder essa pesquisa?
  4. O que essa questão acrescenta?

Como você transforma suas ideias em questões?

Photo by Evan Dennis on Unsplash

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s